dia de fêra

Geralmente as semanas que antecedem uma participação em feira são bem intensas e corridas mas confesso que a semana que antecedeu a Fêra Féra X  foi uma das semanas em que me senti mais viva dos últimos tempos. 
E sincronicamente o freela que já vinha rolando desde janeiro, acabou na sexta anterior. Não é mágico isso? Eu tenho pra mim que é o universo me dizendo "vai!". Bom, eu fui. 

Dias antes terminei de produzir alguns itens, produzi outros novos, fiz aquele tour inesquecível na 25 de março (rolê esse que é praticamente inevitável e que sempre quando você tem que ir vem a memória de como foi a última vez, que te faz repensar todo o sentido da vida e você se pergunta por que raios você tem que ir de novo lá mas no fim você cria coragem e vale a pena pelos achados a preços módicos), montei colares, bordei e me organizei para ficar com tudo em ordem antes do prazo pra não rolar aquele desespero de última hora. 

Mas dessa vez teve um leve e maravilhoso agravante na história. E quando eu digo maravilhoso é maravilhoso mesmo, sem ironia: o Tempero M, empreitada que eu e meu irmão estamos há mais de ano querendo tirar do papel e voilà, conseguimos (com ajuda da Mama, claro)! O que implica um pouco mais de correria, daquele tipo bem doida mas que vale a pena no final. Aliás, visitem as páginas do tempero, espalhem para os amigos. Ele é maravilhoso!

Como ja falei uma vez aqui no blog, é muito gratificante participar da Fêra Féra. O clima é muito bom, os expositores são lindos e a gente se sente em casa. E eu tenho um carinho muito grande por ela, já que foi a primeira que me acolheu e acolheu a Simplee, um ano atrás. 

Participar da fêra em uma data tão simbólica pra mim, foi memorável. E eu fiquei muito orgulhosa de tudo que consegui evoluir até aqui. É um sentimento quase como de dever cumprido só que não porque tenho muito chão ainda pra caminhar. Mas né? Vamos valorizar cada passo, não é? 

*todas as fotos por Leonardo Sang.