aprender e compartilhar

hoje coloquei uma foto do meu vício novo no instagram. a tal da “tripa de mico” ou “rabo de gato” como vi na internet, consiste no “produto final” de um artefato muito simples: quatro preguinhos pregados em uma madeira em formato circular com um orifício no meio. 

com barbante, lã ou qualquer fio que você tiver vontade e com uma agulha de crochê, você vai tecendo o fio que vai saindo magicamente em formato de “corda”. bom, eu achei espantoso. haha tenho evitado realmente porque quando eu pego o negócio eu não consigo parar. 

esse foi um dos aprendizados do final de semana que passei em jaraguá do sul (sc). além da tripa de mico, a kátia me orientou no meu segundo encontro com o tear. ou seja, minha viagem que era pra ser de visita, foi praticamente um workshop. <3 

e como do tear eu esqueci de tirar foto, deixo aqui o singelo registro do meu primeiro “produto final” oficial (já que o primeiro-primeiro-de-verdade foi bem um desastre, ou quase um desastre.

voltei do sul não só com os ânimos renovados, mas com dois fazeres a mais na bagagem. e como eu escrevi no dia que voltei: cada vez que aprendo algum fazer novo, sinto além de alegria, um profundo respeito por aqueles que dominam a técnica. é tão difícil ser bom em algo! eu adoro aprender mas a cada passo fica claro o quanto se precisa caminhar pra alcançar um mínimo de experiência, um mínimo de saber. e isso é pra tudo nessa vida, né?