sol em dia de frio

Olhar para o que já foi feito me dá uma certa segurança e uma felicidadezinha que parece com um solzinho num dia frio de inverno. A cada dia eu busco valorizar o que fiz e faço e escrever também ajuda no processo,  me colocando em contato com o que sou, como quem diz: “ei, tô aqui ainda! eu existo!”. 

Que coisa louca essa de ter que estar ativo e online para existir (já falei disso por aqui). Mas é assim que é. Quando me sinto parada, me esvaindo de mim mesma, como se eu não estivesse fazendo o bastante, tenho vontade de me ver nas minhas coisas e de escrever. E bom, aqui estou.

É bonita essa ideia de que a gente vai virando uma versão melhor da gente mesmo a cada ano, a cada mês, a cada instante. E eu sinto que ter colocado a Simplee no mundo me ajuda muito nesse processo, uma descoberta constante, um aprendizado que me puxa e vai me levando pra uma melhor versão de mim e dessas coisas que eu faço e que me ajudam a ser. 

Às vezes repasso a minha trajetória para constatar que “não, era isso mesmo que eu queria estar fazendo. Estou vivendo o que eu escolhi viver e eu fiz e fui o melhor que eu podia ser”.

Mas sinto que uma maturidade vem chegando e com ela vem a sensação que logo tudo isso que estou construindo e fazendo aos poucos, vai fazer sentido e me levar pra um lugar maior e mais pleno, mais certo de si e com isso, a Simplee provavelmente vai mudar e amadurecer também. 

Porque às vezes (quase sempre) olho pra tudo e me sinto tão “all over the place”. Quero tudo e não faço questão de abandonar nada. Quero trabalhar fora de casa, quero fazer peças cerâmica, bordar, fazer as coisas de concreto, tocar a Piscina, estampar manualmente, costurar, aprender a mexer no tear de madeira e ainda cozinhar, ler, ver a família, viajar. haha Será que todo mundo é assim?

Bom, por enquanto é assim que está sendo. Trabalho, freelas, bordado, leitura e outras distrações boas nos intervalos. Planejo mentalmente como produzir mais coisas e como me adaptar à minha nova logística e olho com carinho para o que já foi feito. Mas sabe? Pela primeira vez na vida, eu não estou com pressa. Está tudo bem. As coisas vão se encaixando. 

Tenho sentido um prazer enorme em presentear as pessoas com as peças que eu fiz e adoro quando faço alguma venda, geralmente para amigos e/ou conhecidos, pois assim eu posso fazer um pacote bonito, amarrar um barbantinho com o cartão e sorrir. É um solzinho de inverno que entra pela janela do meu quarto num dia frio. :)

-